COMISSÃO NACIONAL DESTAQUES

ELEIÇÕES: Dom Guilherme aponta 5 pontos para voto consciente

Às vésperas do primeiro turno das Eleições 2018, no próximo dia 7 de outubro, o bispo de Lajes (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Transformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Guilherme Werlang, chama a atenção para aspectos que devem ser considerados para um voto consciente nas urnas eletrônicas. Em referência à polarização presente no processo das eleições deste ano, o bispo defende que o eleitor não pode pautar-se pelo ódio. “Precisamos de um voto que demonstre que queremos construir e ultrapassar este momento de grande crise que estamos vivendo”, defendeu.

O voto deve ser independente
O primeiro aspecto, na avaliação de dom Guilherme, é que o voto não deve ser induzido, como o voto de cabresto, prática muito comum no Brasil, nos tempos do coronelismo. “Apesar das fake news e mentiras que circulam nas redes sociais, o eleitor deve ser consciente e ter a sua própria opinião e independência. Existe uma grande força de manobra sobre os votos”, disse.

O voto precisa buscar o bem comum da Nação brasileira
“O voto é uma manifestação individual de cada cidadão e cidadã, tendo em vista ganhos não apenas para si mas para a nação brasileira”, reforça. Segundo o prelado, o voto deve ser dado pensando o bem comum. A nossa forma de governo é “Republicana”, embora existam interesses nacionais e internacionais agindo sobre o Brasil. Numa República, os interesses coletivos devem-se sobrepor aos interesses pessoais ou de pequenos grupos”.

O voto precisa estar atento ao Executivo e ao Legislativo
Dom Guilherme chama a atenção que o foco das eleições recai muito nos cargos do executivo (governadores e presidente). Para ele, neste momento, o voto no legislativo precisa ser muito bem pensado e amadurecido. “Um governador sem assembleia legislativa não governa. Um presidente ou uma presidente da República sem o Congresso Nacional (Câmara e Senado) também não governa. Só em ditaduras isso seria possível”, alerta.

O voto não pode ser pautado pelo ódio
O presidente da Comissão Pastoral para a Ação Social Transformadora argumenta que é necessário o voto se revestir de um caráter positivo, no sentido de construção e não um voto de rejeição e protesto. “O voto de protesto fechou a urna acaba ali mesmo. Precisamos um voto que demonstre que queremos construir e ultrapassar este momento de grande crise que estamos vivendo”, defendeu.

O voto precisa expressar a Esperança
O eleitor, em meio ao processo político, precisa conceder um voto de esperança em dias melhores. Na avaliação do religioso, o voto não pode ficar só no dia 7 de outubro, ou depois no segundo turno, onde houver. Ao votar, o eleitor e a eleitora precisam se comprometer a acompanhar os quatro anos de mandato daqueles em quem votou.

ARTIGOS

Dom Orani João Tempesta

Dom Orani João Tempesta

D. Orani João Tempesta, Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)

REDES SOCIAIS PASCOM

Participe de nossas redes sociais: curta, comente e compartilhe com todos os agentes no Brasil !