COMISSÃO NACIONAL

Igreja Católica é apontada como principal adversária do regime militar

Matéria jornalística feita por Gerson Camarotti, apresentada na semana passada pela Globonews, e reproduzida no Portal G1 por Tereza Carneiro, traz notícia de que “telegramas do Departamento de Estado Americano e relatórios da CIA (Agência de Inteligência dos EUA) revelam que o governo dos Estados Unidos acompanhou durante quase duas décadas a tensa relação entre a ditadura militar brasileira e a cúpula da Igreja Católica no país“.

A questão

Segundo o texto do Portal, “Os documentos a que GloboNews teve acesso, classificados como confidencial ou secretos, foram liberados nos últimos anos. Em vários desses textos, a Igreja Católica é apontada como a mais influente organização não-governamental do Brasil e como a principal adversária do regime militar. Segundo um desses relatos de 1981, o governo estava apreensivo sobre o potencial para influenciar a política eleitoral e radicalizar os pobres. Telegramas do início dos anos 70 já alertavam para o confronto entre as duas instituições e ressaltavam a deterioração das relações“.

Os relatórios também destacam, no texto da matéria de TV reproduzida pelo G1 que “a atuação especial de alguns influentes prelados como o arcebispo Dom Helder Câmara e os cardeais Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Aloisio Lorscheider, que denunciavam torturas e violações aos direitos humanos do regime militar. Num relatório secreto de 1971, se destacava a preocupação com as denúncias feitas por Dom Helder ao governo brasileiro em viagem pela Europa e ressaltava que sua indicação ao prêmio Nobel da Paz foi um golpe para o governo Médici. Essa informação é confirmada num relatório secreto do Itamaraty, do início dos anos 70, e que foi revelado pela Comissão Nacional da Verdade. O governo militar agiu por diversos anos para impedir que Dom Helder ganhasse o Prêmio Nobel”.

A matéria do G1 prossegue: “Com a eleição do presidente Jimmy Carter, nos Estados Unidos, em 1977, a Igreja no Brasil passa a ganhar nova força no enfrentamento ao regime durante o governo Geisel. Relatórios citam inclusive uma troca de correspondência entre o então arcebispo de São Paulo, cardeal Dom Paulo Evaristo Arns e o presidente Carter. Um outro memorando do departamento de estado mostra a carta do cardeal enviada ao presidente Carter que fazia um alerta sobre a repressão com uma lista de nomes de pessoas que haviam desaparecido”.

Dom Leonardo Steiner

O secretário-geral da CNBB dom Leonardo Steiner foi ouvido pelo repórter Gerson Camarotti na quinta-feira, 7 de junho, e falou que esses documentos servem como reflexão para que essa história não se repita: “O que nós conseguimos com a Constituição de 1988. Isso para o futuro é vital. As novas gerações não conhecem a história. Hoje se fala inclusive na volta dos militares. Não é o que os militares estão querendo. Os militares têm se manifestado de maneira muito digna, muito precisa em relação à Constituição. Mas esse desejo de achar que é uma força que pode reconquistar a tranquilidade de um país. Só a democracia pode”.

A matéria no Portal G1.

ARTIGOS

Dom Orani João Tempesta

Dom Orani João Tempesta

D. Orani João Tempesta, Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)

REDES SOCIAIS PASCOM

Participe de nossas redes sociais: curta, comente e compartilhe com todos os agentes no Brasil !