DESTAQUES

Prof. Ivanaldo: o que esperar da canonização dos Mártires do RN

Por Ivanaldo Santos
Filósofo
[email protected]

No dia 15 de outubro de 2017, o Papa Francisco vai canonizar, na Basílica de São Pedro, em Roma, os padres Ambrósio Francisco Ferro e André Soveral, o leigo Mateus Moreira e mais 27 companheiros que foram martirizados, no século XVII, por civis e soldados holandeses. Trata-se do histórico episódio do martírio de Cunhaú e Uruaçu. A canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu é o coroamento de um longo processo histórico, religioso e cultural que teve início na década de 1970. Essa canonização é o mais importante fato histórico e religioso das primeiras décadas do século XXI no Rio Grande do Norte.

No entanto, a título de esclarecimento, pergunta-se: do ponto de vista concreto, o que esperar da canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu? Muitas são as respostas que podem ser dadas a essa pergunta. Apenas para ilustrar, serão apresentadas sete possibilidades de efetivação, no cotidiano, da canonização dos mártires potiguares.

1. Fortalecimento da fé, da dimensão missionária e do espírito de partilha, de comunhão cristã.

2. Realização de pesquisas arqueológicas e documentais nas regiões dos sítios históricos de Cunhaú e Uruaçu.

3. Tombamento histórico – talvez transformar num centro cultural-religioso – das casas históricas, engenhos e outros espaços físicos que compõem os sítios históricos de Cunhaú e Uruaçu.

4. Amplo processo de divulgação e de conscientização do valor histórico, cultural e religioso dos acontecimentos de Cunhaú e Uruaçu. Essa conscientização precisa acontecer principalmente entre os jovens, nas escolas públicas e privadas, nos centros de cultura.

5. Produção de material de pesquisa e de apoio didático-pedagógico (livros, cartilhas, etc) para fundamentar o processo de divulgação e de conscientização dos acontecimentos de Cunhaú e Uruaçu.

6. Apoio do setor público e privado para a divulgação e conscientização do valor histórico, cultural e religioso dos acontecimentos de Cunhaú e Uruaçu.

7. Apoio das diversas mídias (TV, rádios, mídias sociais, etc) no processo de processo de divulgação e de conscientização dos acontecimentos de Cunhaú e Uruaçu.

Por fim, afirma-se que não se pode resumir a canonização dos Mártires de Cunhaú e Uruaçu apenas a um simples fato social. Trata-se, em sua essência, de um ato de fé, um mistério que transcende a compreensão humana. No entanto, apesar do mistério da fé, é necessário criar condições materiais, uma estrutura sócio-histórica para poder acolher os pelegrinos e, ao mesmo tempo, desenvolver um trabalho de educação histórica, de conscientização das populações jovens sobre o valor dos acontecimentos de Cunhaú e Uruaçu.

(Texto: site da arquidiocese de Natal RN)

 

** Ivanaldo é filósofo, pós doutor em estudos da linguagem pela USP, doutor em estudos da linguagem pela UFRN e professor do Departamento de Filosofia e do programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). Já publicou dezenas de artigos em revista científica nacionais e internacionais, Além disso, publicou os seguintes livros: Nietzsche: discurso introdutório (Idéia, 2007), Aborto: discursos filosóficos (Idéia, 2008), Poemas para refletir (Ideia, 2009), Método de pesquisa: perspectivas filosóficas (Edições UERN, 2010), Teologia da Libertação: ensaisos e reflexões (Letra Capital, 2010) e Linguagem e epistemologia em Tomás de Aquino (Ideia, 2011). Além disso, é um dos organizadores do livro: De memória e de identidade: estudos interdiciplinares (EDUEPB, 2010).

Tags

ARTIGOS

Dom Orani João Tempesta

Dom Orani João Tempesta

D. Orani João Tempesta, Cardeal Arcebispo do Rio de Janeiro (RJ)

REDES SOCIAIS PASCOM

Participe de nossas redes sociais: curta, comente e compartilhe com todos os agentes no Brasil !